Fórum voltado a palavra de Deus


    INTRODUÇÃO A FILOSOFIA

    Compartilhe
    avatar
    admin
    Admin

    Masculino Número de Mensagens : 10
    Data de inscrição : 08/07/2008

    INTRODUÇÃO A FILOSOFIA

    Mensagem  admin em Ter Nov 03, 2009 10:40 am

    INTRODUÇÃO A FILOSOFIA

    Podemos afirmar que a origem de todo pensamento ocidental se encontra no pensamento grego. Desde o surgimento da filosofia na Grécia e até mesmo antes, os homens não cessaram de se indagar sobre a singularidade e a origem do pensamento humano. Entretanto, é na Grécia que vemos uma busca por respostas que falem sobre a estrutura da Natureza e seu funcionamento e o estabelecimento de uma compreensão sobre os fenômenos naturais em termos racionais.
    É durante o Período Clássico, nos primeiros anos do século VI a.C.com Tales de Mileto, que se forma um pensamento próprio do homem ocidental e marca o início do pensamento filosófico. Esse pensamento vai se caracterizar por uma busca de um princípio (arkhé) ordenador da natureza e sua expressão em uma linguagem racional. Na verdade, a noção predominante que irá se inaugurar com Tales de Mileto e percorrer toda a filosofia grega é a de logus, termo que tem a conotação, entre outras, de “palavra” e “medida”. De certa forma, o discurso filosófico e a investigação científica estão intimamente vinculados.
    Durante todo o século VI a.C. e grande parte do século seguinte, há uma crescente produção, tanto pelos filósofos da Jônia quanto pelos da Magna Grécia, de teorias que substituem o mito na explicação dos fenômenos do Universo. O objeto da reflexão filosófica é diretamente a natureza (phýsis), numa busca por explicações acerca do mundo natural baseada essencialmente em causas naturais. A chave da explicação do mundo de nossa experiência estaria então, para eles, no próprio mundo, e não fora dele, em alguma realidade misteriosa e inacessível. O mundo se abre, assim, ao conhecimento, à possibilidade total de explicação à ciência.
    Em outras palavras, a principal contribuição desses primeiros pensadores ao desenvolvimento do pensamento filosófico, e podemos dizer também cientifico, encontra-se em um conjunto de noções que tentam explicar a realidade e que constituirão em grande parte, como veremos alguns dos conceitos básicos das teorias sobre a natureza que se desenvolverão a partir de então.
    A primeira escola de filósofos científicos surgiu em Mileto. Esta cidade no litoral jônico era uma ativa encruzilhada de negócios e comercio. A sudeste ficavam Chipre, Fenícia e Egito; ao norte, os mares Egeu e Negro; a oeste, através do Egeu, a Grécia continental e a ilha de Creta. O leste, Mileto mantinha estreito contato com a Lídia e, através desta, com os impérios da Mesopotâmia. Com os lídios, os milésios aprenderam a prática de cunhar moedas de ouro parar servir de dinheiro. O porto de Mileto vivinha apinhado de veleiros de muitas nações e os seus armazéns estocava mercadorias do mundo inteiro. Como conheciam o dinheiro como meio universal de armazenar valor e trocar mercadorias, não admira que os filósofos milésios se indaguem de que são feitas todas as coisas.


    “Todas as coisas são feitas de água”, teria dito Tales de Mileto. E assim começam a filosofia e a ciência. A idéia mais importante de Tales é a sua afirmação de que o mundo é feito de água. Exploraremos este filósofo a seguir.
    Os Pré-Socráticos
    Podemos afirmar que foram a primeira corrente de pensamento, surgida na Grécia Antiga por volta do século VI a.C. Os filósofos que viveram antes de Sócrates se preocupavam muito com o Universo e com os fenômenos da natureza. Buscavam explicar tudo através da razão e do conhecimento científico. Podemos citar, neste contexto, os físicos Tales de Mileto, Anaximandro e Heráclito. Pitágoras desenvolve seu pensamento defendendo a idéia de que tudo preexiste à alma, já que esta é imortal. Demócrito e Leucipo defendem a formação de todas as coisas, a partir da existência dos átomos.
    Período Clássico

    Os séculos V e IV a.C. na Grécia Antiga foram de grande desenvolvimento cultural e científico. O esplendor de cidades como Atenas, e seu sistema político democrático, proporcionou o terreno propício para o desenvolvimento do pensamento. É a época dos sofistas e do grande pensador Sócrates.
    Os sofistas, entre eles Górgias, Leontinos e Abdera, defendiam uma educação, cujo objetivo máximo seria a formação de um cidadão pleno, preparado para atuar politicamente para o crescimento da cidade. Dentro desta proposta pedagógica, os jovens deveriam ser preparados para falar bem (retórica), pensar e manifestar suas qualidades artísticas.

    Sócrates começa a pensar e refletir sobre o homem, buscando entender o funcionamento do Universo dentro de uma concepção científica. Para ele, a verdade está ligada ao bem moral do ser humano. Ele não deixou textos ou outros documentos, desta forma, só podemos conhecer as idéias de Sócrates através dos relatos deixados por Platão.
    Platão foi discípulo de Sócrates e defendia que as idéias formavam o foco do conhecimento intelectual. Os pensadores teriam a função de entender o mundo da realidade, separando-o das aparências.
    Outro grande sábio desta época foi Aristóteles que desenvolveu os estudos de Platão e Sócrates. Foi Aristóteles quem desenvolveu a lógica dedutiva clássica, como forma de chegar ao conhecimento científico. A sistematização e os métodos devem ser desenvolvidos para se chegar ao conhecimento pretendido, partindo sempre dos conceitos gerais para os específicos.

    Período Pós-Socrático

    Está época vai do final do período clássico (320 a.C.) até o começo da Era Cristã, dentro de um contexto histórico que representa o final da hegemonia política e militar da Grécia.
    Ceticismo: de acordo com os pensadores céticos, a dúvida deve estar sempre presente, pois o ser humano não consegue conhecer nada de forma exata e segura.

    Epicurismo: os epicuristas, seguidores do pensador Epicuro, defendiam que o bem era originário da prática da virtude. O corpo e a alma não deveriam sofrer para, desta forma, chegar-se ao prazer.
    Estoicismo: os sábios estóicos como, por exemplo, Marcos Aurélio e Sêneca, defendiam a razão a qualquer preço. Os fenômenos exteriores a vida deviam ser deixados de lado, como à emoção, o prazer e o sofrimento.
    Pensamento Medieval

    O pensamento na Idade Média foi muito influenciado pela Igreja Católica Desta forma, o teocentrismo acabou por definir as formas de sentir, ver e também pensar durante o período medieval. De acordo com Santo Agostinho, importante teólogo romano, o conhecimento e as idéias eram de origem divina. As verdades sobre o mundo e sobre todas as coisas deviam ser buscadas nas palavras de Deus.
    Porém, a partir do século V até o século XIII, uma nova linha de pensamento ganha importância na Europa. Surge à escolástica, conjunto de idéias que visava unir a fé com o pensamento racional de Platão e Aristóteles. O principal representante desta linha de pensamento foi Santo Tomás de Aquino.
    Pensamento Filosófico Moderno

    Com o Renascimento Cultural e Científico, o surgimento da burguesia e o fim da Idade Média, as formas de pensar sobre o mundo e o Universo ganham novos rumos. A definição de conhecimento deixa de ser religiosa para entrar num âmbito racional e científico. O teocentrismo é deixado de lado e entre em cena o antropocentrismo (homem no centro do Universo). Neste contexto, René Descartes cria o cartesianismo, privilegiando a razão e considerando-a base de todo conhecimento.
    A burguesia, camada social em crescimento econômico e político têm seus ideais representados no empirismo e no idealismo.
    No século XVII, o pesquisador e sábio inglês Francis Bacon cria um método experimental, conhecido como empirismo. Neste mesmo sentido, desenvolvem seus pensamentos Thomas Hobbes e John Locke.

    O iluminismo surge em pleno século das Luzes, o século XVIII. A experiência, a razão e o método científico passam a ser as únicas formas de obtenção do conhecimento. Este, a única forma de tirar o homem das trevas da ignorância. Podemos citar, nesta época, os pensadores Immanuel Kant, Friedrich Hegel, Montesquieu, Diderot, D'Alembert e Rosseau.

    O século XIX é marcado pelo positivismo de Auguste Comte. O ideal de uma sociedade baseada na ordem e progresso influencia nas formas de refletir sobre as coisas. O fato histórico deve falar por si próprio e o método científico, controlado e medido, deve ser a única forma de se chegar ao conhecimento.

    Neste mesmo século, Karl Marx utiliza o método dialético para desenvolver sua teoria marxista. Através do materialismo histórico, Marx propõe entender o funcionamento da sociedade para poder modificá-la. Através de uma revolução proletária, a burguesia seria retirada do controle dos bens de produção que seriam controlados pelos trabalhadores.

    Ainda neste contexto, Friedrich Nietzsche, faz duras críticas aos valores tradicionais da sociedade, representados pelo cristianismo e pela cultura ocidental. O pensamento, para libertar, deve ser livre de qualquer forma de controle moral ou cultural.
    Época Contemporânea

    Durante o século XX várias correntes de pensamentos agiram ao mesmo tempo. As releituras do marxismo e novas propostas surgem a partir de Antonio Gramsci, Henri Lefebvre, Michel Foucault, Louis Althusser e Gyorgy Lukács. A antropologia ganha importância e influencia o pensamento do período, graças aos estudos de Claude Lévi-Strauss.
    A fenomenologia, descrição das coisas percebidas pela consciência humana, tem seu maior representante em Edmund Husserl. A existência humana ganha importância nas reflexões de Jean-Paul Sartre, o criador do existencialismo.

    Os pensamentos dos sábios

    • Sócrates

    “Um bom casamento exige que o homem seja surdo e a mulher cega.”

    “Se o desonesto soubesse a vantagem de ser honesto, ele seria honesto ao menos por desonestidade”.

    “Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância”.

    "Quatro características deve ter um juiz; ouvir cortesmente, responder sabiamente, ponderar prudentemente e decidir imparcialmente."

    "O que temos de fazer é instruir e não proibir."

    "Só sei que nada sei."

    "A eloqüência é a arte de aumentar as coisas pequenas e diminuir as grandes."

    • Platão

    "Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz."

    "Aquele que melhor se conhece a si mesmo é o que menos se exalta."

    "De todos os animais selvagens, o homem jovem é o mais difícil de domar."

    "Nunca desencoraje ninguém que continuamente faz progresso, não importa quão devagar."

    "O começo é a parte mais importante do trabalho."

    "O livro é um mestre que fala, mas que não responde."

    "Quando a mente está pensando, está falando consigo mesma.”

    "Tente mover o mundo - o primeiro passo será mover a si mesmo."

    "Uma vida não questionada não merece ser vivida."

    • Aristóteles

    "Não há nada que envelheça tão depressa como um benefício."

    "Os avarentos entesouram como se devessem viver eternamente, e os pródigos dissipam como se estivessem à beira do túmulo."
    "Devemos tratar os amigos como queremos que eles nos tratem."

    "Nosso caráter é resultado de nossa conduta."

    "O que você tem capacidade de fazer tem capacidade também de não fazer."

    "Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito."

    “Nunca decidas antes de ouvir ambas as partes."

    “Homem livre é senhor de sua vontade e somente escravo de sua consciência."

    "A grandeza não consiste em receber honras, mas merecê-las."

      Data/hora atual: Seg Set 25, 2017 4:42 pm